As assistências aos jogos do FC Porto: aspectos a reflectir, soluções a considerar.

by / Quarta-feira, 30 Janeiro 2013 / Published in Artigo Opinião, Artigos, Marketing, Marketing Desportivo, Marketing Digital

Na passada segunda-feira desloquei-me ao estádio do dragão para assistir ao jogo entre o Porto e o Gil Vicente. Enquanto assistia ao encontro, dei por mim a reparar naquilo que no meu entender tem levado a que este clube tenha perdido um número considerável de espectadores na assistência aos jogos. Nos últimos dois encontros, o FC Porto teve apenas 47 mil pessoas nas bancadas, sendo que um dos jogos até se disputou num sábado à noite, com o Paços de Ferreira, equipa que se encontra a fazer uma brilhante época, ocupando o quarto lugar na Liga Zon Sagres.

Então o que faltará para aumentar o número de espectadores? Os motivos são vários mas o principal parece-me ser aquilo que é um dos conceitos-chaves do desporto: o entretenimento. Ou seja, a capacidade de podermos proporcionar uma experiência fantástica às milhares de pessoas que se deslocam a um estádio de futebol. É claro que este entretenimento pode e deve ser proporcionado pelos artistas que se movimentam dentro das quatro linhas, mas como sabemos, isso nem sempre acontece. Quantas vezes nas bancadas ouvimos alguém dizer “para que é que eu vim, mais valia ter ficado em casa” ou “isto foi dinheiro mal gasto”?

Do meu ponto de vista, parece-me que o FC Porto está demasiado focado na promoção do jogo em si, e não tanto de tudo o que se passa à volta do mesmo. Ora se nós não controlamos o nosso core product – o jogo, isto é, não controlamos a performance dos artistas ou as condições climatéricas que se vão fazer sentir no jogo, então o melhor focarmo-nos nas extensões deste produto. E parece-me ser nestas “extensões” que o FC Porto pode e deve melhorar.

Além disso, se analisarmos a forma como o FC Porto comunica com os fãs no estádio e em todas as suas plataformas digitais, percebemos que esta é marcado por uma grande unidireccionalidade, ou seja, é poucas vezes dada a oportunidade aos fãs de brilharem, de serem ouvidos, de realmente sentiram que fazem parte do clube. O clube não se abre muito ao exterior, e talvez com isso esteja a começar a perder o comboio onde estão os fãs mais jovens, das gerações Y (a geração da Internet) e Z (a geração dos nativos digitais), que estão habituados a ser ouvidos pelas marcas, a terem opinião e a terem acesso aos bastidores. Muitos clubes por esse mundo fazem-no, e com enorme sucesso. E não foi por isso que deixaram de ter excelentes resultados desportivos (veja-se o caso do Manchester City, campeão inglês, que permite aos fãs acompanharem de perto o dia-a-dia da equipa de futebol como se fossem um dos jogadores, o caso do Real Madrid, campeão espanhol, que faz o acompanhamento in loco das viagens do clube, ou o caso do Fluminense, campeão brasileiro, com imagens do balneário do clube antes dos jogos). Ora, sem fãs engaijados e envolvidos com a equipa, é difícil haver disponibilidade dos mesmos para o consumo de produtos do clube, como jogos, merchandising, entre outros.

Parece-me assim que o FC Porto poderia ver os jogos que recebe no estádio do dragão, como um ponto alto dum forte contacto emocional entre os fãs, a marca e a equipa de futebol. Ao focarem-se nos aspectos referidos acima, entretenimento e comunicação bidireccional, penso que o clube conseguirá melhor a sua performance ao nível da assistência aos jogos (e não só). Fazer uma acção como a da Coca-Cola, em que alguns fãs com um copo da bebida são seleccionados para irem para um espaço exclusivo assistir ao jogo, é interessante, mas não suficiente. Por exemplo, porque não partilham fotografias das pessoas que lá estiveram na página do Facebook? Porque não se fazem entrevistas com eles e as publicam no canal do YouTube? Porque é que em todos os jogos não seleccionam o melhor adepto, com base no que ele tem vestido ou na forma como apoiou a equipa? Porque é que antes dos jogos não colocam no site do clube uma playlist para os fãs votarem e escolherem as músicas que vão passar durante o jogo? Porque é que os próprios apanha-bolas, que são atletas da formação do clube, não tem uma fotografia sua na página do Facebook do clube após o final do jogo?

Muito mais poderia ser dito. Ficam aqui algumas sugestões.

Subscreva a newsletter: http://bit.ly/newsmarcoscastro

Deixe uma resposta

You must be logged in to post a comment.

TOP UA-37139526-1
Read previous post:
Quem quer ser como o Joãozinho e o Sergio Aguero?

A criação de conversas bilaterais com os fãs com o objectivo de aumentar a sua envolvência com determinada marca ou...

Close